IA fará a Guerra mais eficiente – e talvez menos frequente

A Inteligência Artificial tem um efeito transformador em várias das mais importantes atividades humanas. Inclusive uma das mais antigas, a Guerra.

E o conflito, sempre triste, na Ucrânia, tem mostrado como a natureza do atrito militar vem sofrendo transformações profundas. Vou mencionar algumas dessas mudanças e recomendar um bom artigo do NY Times que aprofunda um pouco mais o assunto.

Em primeiro lugar, tamanho agora perde para volume. A arma de guerra mais poderoso do mundo é um porta-aviões, que custa bilhões de dólares para construir e centenas de milhões para manter a cada ano.

Para uma força militar normal, em terra, ar ou mar, atingir um porta aviões é quase impossível. Mas centenas de pequenos drones, que custam uma fração do preço desse gigante militar, são uma força quase indefensável. Pelo simples de serem muitos e de não gerarem perdas humanas em quem conduz a ofensiva.

E aí vem a segunda grande mudança. Forças geradas por IA. Sejam drones aéreos, marítimos ou soldados-robô, são apenas produto de capacidade industrial. Não demandam treinamento, não cansam e seu custo é apenas logístico.

A guerra sempre serviu a interesses geopolíticos diversos e sempre carregou uma mácula de imoralidade, por sacrificar vidas jovens em causas dúbias. E o peso moral nunca esteve, em qualquer nação, na morte dos adversários, mas na morte de seus próprios soldados.

Esse peso desaparece conforme mais e mais máquinas de guerra chegam ao campo de batalha que não carregam consciência, apenas instruções, e não sentem dor ou dúvida.

Finalmente, o combate ganha eficiência. As cadeias logísticas mudarão. Menos comida, combustível e medicamentos devem chegar ao front. Ordens serão cumpridas com precisão absoluta e sem qualquer preocupação com a preservação física dos combatentes.

E o quanto estamos perto dessa realidade, em que guerras se tornam vídeo games travados a distância por supercomputadores movendo robôs ?

A resposta é que cada grande potência militar do mundo tem na IA sua maior preocupação estratégica neste momento, e portanto o processo já começou.

Ainda que o alcance total dessas mudanças seja desconhecido, a IA pode tornar as guerras mais precisas, eficientes e mortais. Mas também, quem sabe, menos frequentes.

(Se você curtiu este artigo, compartilhe com mais pessoas!)

Alex Winetzki, fundador e CEO da Woopi e diretor de P&D do Grupo Stefanini.